Economia circular: o que é, como funciona e quais são os benefícios

Economia circular: o que é, como funciona e quais são os benefícios

Tempo de Leitura: 3 minutos

Se preferir, ouça a narração deste artigo:

O cientista Antoine Lavoisier já dizia que, na natureza, nada se perde nem nada se cria: tudo se transforma. Essa é a lógica por trás da economia circular, uma solução para diminuir o impacto que as pessoas causam ao meio ambiente.

Fique conosco para entender melhor essa abordagem em relação ao que a humanidade produz e consome. Conheça, ainda, quais são os benefícios que um sistema circular pode trazer para o seu bolso.

O que é economia circular?

O conceito de economia circular tem a ver com o reaproveitamento daquilo que não usamos mais. Só que essa dinâmica vai muito além da reciclagem.

Para ilustrar, vale nos lembrarmos de como a natureza funciona. Por exemplo, uma árvore dá frutos que nos alimentam. Depois, se descartarmos o bagaço na terra, ele vira adubo para fazer brotar novas plantas. Ou seja: não existe resíduo.

O desafio é levar essa perspectiva de “lixo zero” para a cadeia produtiva. Assim, em vez de descartar uma cafeteira quebrada ou uma lavadora antiga, a ideia é reprocessar esses eletrodomésticos para os componentes serem usados na fabricação de novos produtos.

Resumindo: o rejeito vira matéria-prima para novos equipamentos, tal como o bagaço da laranja vira adubo para novas árvores.

Qual é a diferença entre economia circular e linear?

economia circular x economia linear

O sistema produtivo mais vigente na nossa economia ainda é linear. Isto é: ele segue uma sequência com início, meio e fim.

Primeiro, a indústria explora a matéria-prima para confeccionar produtos. Depois, nós compramos e consumimos esses itens. Então, quando um objeto estraga ou não tem mais serventia, ele vai para o lixo.

Algumas empresas de tecnologia trabalham, inclusive, com a técnica da obsolescência programada. Ela consiste em definir um prazo de validade para algo que poderia funcionar por muito mais tempo. É por essa razão que você precisa trocar de celular com tanta frequência: o aparelho pode estar em perfeitas condições de uso, mas os aplicativos não atualizam e é necessário comprar um modelo mais recente.

A economia circular surge na contramão dessa dinâmica predatória. Para não explorar recursos naturais nem gerar cada vez mais lixo, ela transforma resíduos em insumos. Dessa forma, os materiais retornam ao início da cadeia produtiva, causando menos impacto no planeta.

Dica: Consumo consciente – mudança de hábitos para uma vida melhor

Como funciona a economia circular?

A economia circular começa na concepção do produto. Isso porque alguns recursos naturais são finitos, então seria imprudente usá-los como matéria-prima para sempre.

Pensemos no plástico, apenas para citar um caso. Ele vem do petróleo, que existe em quantidade limitada na natureza. Portanto, empresas tentam encontrar materiais alternativos para substituí-lo (como o plástico biodegradável, feito à base de cana de açúcar).

De preferência, os insumos têm que ser atóxicos. Isso significa que não vão poluir o meio ambiente, caso sejam descartados na natureza.

Também devem ser segregáveis. Dessa forma, os componentes poderão ser reciclados com mais facilidade, o que aumenta as chances de reaproveitamento na indústria.

Só que, para tanto, ainda é preciso falar da logística reversa. Ela garante que os objetos descartados sejam levados diretamente a empresas dedicadas ao reprocessamento e à manufatura.

Esse aspecto depende de um esforço conjunto entre comércio e consumidores. No que diz respeito às lojas, elas podem funcionar como pontos de coleta dos produtos, especialmente os de difícil reciclagem (eletrônicos, lâmpadas, etc).  Depois, esse conteúdo é repassado a cooperativas e companhias especializadas.

Já o público final deve separar o lixo em casa para destiná-lo ao local correto. É muito melhor reciclar do que atirar tudo num aterro.

Qual é a importância da economia circular?

Como vimos até aqui, a economia circular proporciona sobrevida a tudo que produzimos e consumimos. Essa prática leva ao aproveitamento mais racional dos insumos. Veja três benefícios:

Gera menos lixo

Se os bens de consumo não forem projetados para o reaproveitamento, algum dia eles também se tornarão lixo e poluirão o meio ambiente. Para solucionar esse problema, a economia circular privilegia materiais facilmente recicláveis. Com isso, a indústria acaba gerando menos resíduo.

Poupa recursos naturais

O planeta está chegando a um nível de esgotamento dos recursos naturais. Por isso, vale a pena aproveitar a matéria-prima que já existe, mas não está sendo utilizada porque foi parar na lata do lixo. Ao explorarmos menos a natureza, ela pode se recuperar do impacto causado pela ação humana.

Reduz o custo

Cabe dizer que o preço final dos produtos se eleva quando a matéria-prima é escassa, mas há alta demanda no mercado. Por outro lado, a lógica circular cria um cenário de abundância, dado que os insumos estão na própria mercadoria em circulação. O resultado tende a ser a redução dos preços. Logo, investir nesse tipo de economia é investir num modelo mais solidário e sustentável até para os negócios.

Leia também: 5 dicas para se proteger da inflação

Gostou do conteúdo de hoje? Então continue acompanhando o blog da Cresol. Em breve, voltaremos com novidades sobre educação financeira, cooperativismo e empreendedorismo. Até a próxima!

Leia mais