Cooperativismo

O que é cooperativismo: entenda esse modelo de negócio

Tempo de Leitura: 9 minutos

Existe um modelo organizacional no qual os trabalhadores também são donos do próprio negócio. Estamos falando do cooperativismo. Essa filosofia permite a união de interesses aparentemente antagônicos, como desenvolvimento econômico e desenvolvimento social. A ideia é que todas as pessoas prosperem juntas, o que garante a elas melhores oportunidades e um futuro mais justo.

Leia mais: 5 motivos para trabalhar na Cresol

Quer entender os detalhes? Então continue conosco. A seguir, vamos contar a origem desse conceito, explicar como funciona uma cooperativa e destacar os princípios que norteiam esse tipo de associação.

Conceito de cooperativismo (e um pouco de História)

O cooperativismo pode ser definido como a colaboração entre pessoas com interesses em comum. Quando elas se juntam, conseguem vantagens que dificilmente conquistariam sozinhas.

O começo de tudo foi em 1844, na cidade de Rochdale, interior da Inglaterra. Na época, 27 homens e uma mulher decidiram montar um armazém. Eles adquiriam alimentos em grande quantidade para obter preços melhores. Depois, repartiam igualmente as compras entre os membros do grupo.

A estratégia não só permitiu a sobrevivência desses trabalhadores, como os fez prosperar. Após 12 anos, a Sociedade dos Probos de Rochdale contava com 3.450 sócios – e um capital que saltou de 28 libras para 152 mil libras.

No Brasil, a cultura cooperativista ganhou força no fim do século XIX, nos estados de Minas Gerais, Pernambuco, São Paulo, Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul. A cooperativa de crédito mais antiga da América Latina, e ainda em atividade, foi fundada em 1902, no município de Nova Petrópolis/RS.

História do cooperativismo de crédito no Brasil

O responsável pela chegada do modelo cooperativista ao país foi o padre suíço Theodor Amstad. O jesuíta chegou ao Rio Grande do Sul alguns anos antes para trabalhar nas colônias de imigrantes alemães.

Enquanto realizava sua função nas capelas do interior, ele observava a precariedade daquelas comunidades. Resolveu, então, apresentar uma solução que tornasse as famílias dos colonos mais prósperas.

Conhecedor do cooperativismo, Amstad juntou-se a 19 lideranças comunitárias para construir a Caixa de Economias e Empréstimos que levava seu sobrenome. A sede da organização ficava na localidade de Linha Imperial, no município de Nova Petrópolis. Hoje a organização é denominada Sicredi Pioneira RS.

Leia Mais: História do Cooperativismo: como o sistema influenciou na criação da Cresol

Mais adiante, na década de 1920, cooperativas gaúchas já haviam se unido para conceber a primeira central brasileira do setor – a Central das Caixas Rurais da União Popular do Estado do Rio Grande do Sul, Sociedade Cooperativa de Responsabilidade Limitada. Algumas delas resistiram inclusive à ditadura militar, quando a legislação restringiu as condições de funcionamento dessas entidades.

Entre as décadas de 1960 e 1980, contudo, a quantidade de cooperativas de crédito minguou. Foi apenas depois da abertura política e econômica do país que um movimento, liderado por Mário Kruel Guimarães, fez renascer o cooperativismo na Região Sul do Brasil. Com a reestruturação do sistema, a concessão de crédito rural para associados foi adotada nos três estados daquele ponto do mapa.

Desde então, as cooperativas de crédito vêm se firmando como uma alternativa viável para pequenos produtores, apesar da instabilidade da moeda, da hiperinflação e de tantos outros percalços que vieram nas décadas seguintes. Em suma, o cooperativismo é um importante instrumento de inclusão econômica e social para os participantes.

Dica: A comunicação nos dias atuais

Como funciona uma cooperativa

As sociedades cooperativas são formadas por indivíduos que exerçam uma atividade econômica em comum. Elas não visam ao lucro, mas, sim, à prestação de serviços aos associados. As regras para o funcionamento estão descritas na Lei Nº 5.764/71, que define a Política Nacional de Cooperativismo.

Uma cooperativa pode ajudar produtores rurais a adquirirem equipamentos agrícolas, por exemplo, ou oferecer empréstimos a juros baixos. Também pode promover cursos de capacitação para qualificar os trabalhadores.

Dica: Descubra os benefícios de fazer parte de uma cooperativa de crédito

Quem define os rumos do negócio são os próprios cooperativados. Todos têm poder de voto em assembleias. Isso permite que as decisões conjuntas contemplem os interesses coletivos tanto quanto os individuais.

Cooperativismo: ramos de atuação

Há diferentes segmentos do cooperativismo, conforme o ramo de atuação e as necessidades dos envolvidos. A lista foi atualizada em 2020, chegando à seguinte classificação:

  • Agropecuário: esse segmento abrange as cooperativas de produtores rurais e de pescadores, entre outras. A união das forças ajuda na comercialização e no armazenamento da produção, além de possibilitar assistência técnica para os associados.
  • Crédito: o grupo é composto por cooperativas que prestam serviços financeiros, como empréstimo, financiamento e aplicações. Elas têm o objetivo de facilitar a entrada dos participantes no mercado, já que operam com taxas mais baixas e com menos burocracia.
  • Transporte: esse setor envolve as pessoas que atuam no transporte de passageiros e aquelas que transportam carga. Para tanto, os cooperados devem ser proprietários dos veículos em circulação. Há modalidades variadas dessas cooperativas – para táxi, ônibus, transporte escolar, frete de mercadorias etc. Cada uma tem suas especificidades.
  • Trabalho, Produção de Bens e Serviços: esse segmento do cooperativismo contempla a prestação de serviços especializados, indo do turismo ao beneficiamento de material reciclável. As organizações surgem para elevar a remuneração e as condições de trabalho de uma determinada categoria.
  • Saúde: essas associações cooperativas são formadas por médicos, dentistas ou outros profissionais da área. Ainda, pode abranger usuários comuns para a constituição de uma operadora de plano de saúde.
  • Consumo: cooperativas de consumo existem para viabilizar a compra coletiva de produtos ou serviços. Dessa maneira, os cooperados obtêm preços mais competitivos e poupam recursos, garantindo a sustentabilidade financeira de seus negócios.
  • Infraestrutura: por fim, o ramo do cooperativismo de infraestrutura fornece imóveis, energia elétrica, rede de telefonia e outros serviços essenciais. Isso possibilita o acesso a uma estrutura básica para o crescimento econômico e produtivo dos pequenos associados.

Estima-se que uma em cada sete pessoas no mundo esteja ligada ao cooperativismo. O movimento está presente em pelo menos 100 países e é responsável por 250 milhões de empregos. Os dados são do Sistema OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras).

Leia mais: Saiba como fazer parte de uma cooperativa

7 princípios do cooperativismo

Mas qual será o segredo para a longevidade do espírito cooperativista? Talvez a resposta esteja nos princípios norteadores desse modelo organizacional. São valores sólidos, que vêm sendo reforçados desde o início das atividades em Rochdale, no ano de 1844. Acompanhe:

1. Adesão voluntária e livre

Qualquer pessoa interessada em participar de uma cooperativa é bem-vinda, desde que esteja alinhada ao objetivo econômico da instituição e disposta a assumir a responsabilidade. Não existe discriminação por gênero, etnia, classe, ideologia política ou crença religiosa. Essa máxima também se aplica às centrais e federações (cooperativas de cooperativas) e às confederações (cooperativas de federações).

2. Gestão democrática

O controle de uma cooperativa é exercido por todos os seus membros. Eles podem – e devem – participar ativamente da formulação de políticas e das tomadas de decisão. Para que esse processo ocorra de forma organizada, são conduzidas eleições, nas quais se escolhem os representantes oficiais do grupo. Ou seja: a gestão dos trabalhos se baseia numa postura democrática.

Dica: Entenda a importância de participar das assembleias da sua cooperativa

3. Participação econômica dos membros

Assim como têm o direito de tomar decisões, os cooperativados têm o dever de contribuir com o capital da organização. O montante se torna propriedade comum da cooperativa – para aquisição de equipamentos, custeio das atividades etc. Se houver excedente, o dinheiro pode ser revertido em benefício dos membros. A destinação dessa quantia costuma ser definida em assembleia.

Dica: Previdência privada: entenda como funciona e saiba como se planejar para o futuro

4. Autonomia e independência

Cooperativismo sempre foi sinônimo de liberdade. Portanto, nada deve mudar isso. As cooperativas até podem firmar acordos com outras organizações públicas ou privadas, mas o controle democrático tem de continuar nas mãos dos membros. Essa independência em relação aos demais poderes é o que favorece  a ajuda mútua entre os participantes, com base nos seus interesses comuns.

5. Educação, formação e informação

Uma das funções do cooperativismo é atuar no desenvolvimento das comunidades nas quais as associações estão inseridas. Isso se faz com educação. Palestras, cursos técnicos e workshops contribuem para a capacitação dos associados. Assim, eles podem qualificar ainda mais seus negócios, gerando produtividade e conquistando mais competitividade de mercado. E, claro, trazendo mais retorno financeiro às próprias cooperativas.

6. Intercooperação

Cooperar significa trabalhar em conjunto. A soma das partes dá força para o movimento seguir adiante. Porém, às vezes, essa união não fica restrita a estruturas locais. Pode haver cooperativas regionais, nacionais e, por que não, internacionais. O que importa é agir em prol do bem comum, independentemente de barreiras geográficas ou culturais.

7. Interesse pela comunidade

Ainda que o cooperativismo possa se espalhar pelo mundo inteiro, a fagulha inicial parte de comunidades menores. Existe uma intenção genuína de agir em favor do desenvolvimento sustentável, e isso sempre começa numa escala micro. Desse modo, as políticas aprovadas pelos cooperados levem em consideração a realidade do entorno, de forma que os problemas locais sejam sanados e a região prospere.

Por que se associar a uma cooperativa

Até agora explicamos o que é o cooperativismo, como ele surgiu, quais são os segmentos atuantes no Brasil e quais princípios norteiam esse modelo de negócio. Para completar o artigo, vamos citar os motivos que levam alguém a se associar a uma cooperativa. Talvez você já desconfie de alguns deles, mas não custa reforçá-los.

1. Acesso a crédito e bens de consumo

Pequenos empreendedores disputam espaço no mercado com grandes conglomerados, que produzem em escala e praticam preços menores. Por isso, têm que se profissionalizar. 

Só que o investimento em qualificação, insumos e equipamentos acaba se tornando pesado demais. Ninguém consegue arcar com tantas despesas sozinho. Nesse cenário, é graças à soma de forças do cooperativismo que muita gente conquista a prosperidade nos negócios, pois pode obter empréstimos e outros recursos.

2. Todo mundo é dono

Quando você ingressa numa cooperativa, deixa de ser apenas cliente para tornar-se sócio de uma organização. E ninguém melhor que os próprios donos para desejar o sucesso da empreitada!

Seguindo essa lógica, os associados dividem as responsabilidades, denunciam falhas e sugerem melhorias para participar ativamente da mudança. As decisões coletivas ajudam a construir um projeto que tenha “a cara” de todo mundo, atendendo a seus anseios e suas necessidades. 

3. Tomada democrática de decisões

Um dos maiores benefícios de ingressar numa cooperativa está, justamente, no poder de decisão. Cada cooperado tem peso igual de voto nas assembleias, independentemente do número de cotas-partes adquiridas.

Esse tipo de gestão se torna mais democrático, levando em conta os interesses da maioria dos clientes/sócios. Portanto, os rumos do negócio podem até visar ao ganho de capital, mas nunca abrem mão do bem-estar dos associados.

4. Participação nos resultados

É fato que os participantes da cooperativa precisam investir algum dinheiro, com a aquisição de cotas-partes, para viabilizar a operação. Por outro lado, o retorno aparece de diversas maneiras, inclusive com uma graninha extra no fim do ano.

Como o cooperativismo não visa ao lucro, todas as sobras monetárias do período são repartidas entre os membros do grupo. Uma votação decide se essa quantia será embolsada por cada indivíduo ou reinvestida para custear despesas da organização.

5. Rendimentos superiores

O sistema cooperativista goza de isenção tributária. Por conta disso, oferece serviços com uma melhor taxa de retorno.

Você pode, por exemplo, aplicar parte de suas economias em depósitos a prazo. Os rendimentos serão superiores aos praticados no mercado.  

6. Comprometimento com a comunidade

O grande objetivo do cooperativismo é oferecer recursos para os participantes prosperarem. Estamos falando não só de aporte financeiro, como também de cursos de capacitação e atividades relacionadas.

Esse modelo organizacional parte do pressuposto de que, quando um ganha, todos ganham. A oportunidade oferecida a um único sócio acaba trazendo retorno para toda a comunidade.

7. Atendimento diferenciado

Aliás, tamanho senso comunitário se reflete até no dia a dia. Os associados são mais que um número: eles representam histórias de vida que colaboram para construir aquele empreendimento. Sendo assim, ao buscarem atendimento numa unidade da cooperativa, todos são tratados com respeito e afetividade.

Consumidores de outras companhias nem sempre recebem uma abordagem tão calorosa, até porque os atendentes não os conhecem nem têm envolvimento direto com sua trajetória. Mais um ponto a favor das cooperativas.

Assista ao vídeo abaixo e entenda mais sobre a Cresol.

Dia Internacional do Cooperativismo

Faz algum tempo que contamos até com uma data comemorativa para explicar o que é o cooperativismo e divulgar como esse modelo organizacional impacta positivamente o mundo. As celebrações ocorrem todos os anos, no primeiro sábado de julho.

A oficialização da efeméride ocorreu apenas no ano de 1995, marcando o centenário da Aliança Cooperativa Internacional (ACI). No entanto, comemorações do tipo já aconteciam desde a década de 1920, com o objetivo de enaltecer a confraternização dos povos ligados ao movimento cooperativista.

Originalmente chamado de “Dia da Cooperação”, o Dia Internacional do Cooperativismo dispõe de uma série de atividades alusivas à data. São palestras, concursos e exposições que espalham ainda mais essa filosofia ao redor do globo.

Cada nova edição traz uma temática diferente. Em 2020, o mote definido pela ACI foi “Cooperativas para a Ação Climática”. As discussões giravam em torno de soluções para um futuro sustentável em nosso planeta. Anos anteriores também trataram de questões como dignidade no trabalho, inclusão, igualdade de oportunidades, enfrentamento da crise econômica e empreendedorismo na juventude.

O CoopsDay, como é conhecido internacionalmente, promove o diálogo com a sociedade. Ele é uma ferramenta para conscientizar sobre o cooperativismo e promover as iniciativas do movimento, principalmente entre aqueles que ainda não o conhecem.

A partir dessas ações anuais, cada vez mais pessoas podem compreender como existem alternativas para um desenvolvimento sustentável. Afinal, é possível, sim, priorizar o bem-estar coletivo tanto quanto a viabilidade econômica.

É disto que se trata: dar visibilidade à causa para fortalecer o caminho rumo a um futuro justo e próspero para todos. Em 2021 tem mais!

Dica: Dia Internacional das Cooperativas de Crédito: Trazendo esperança à comunidade global

Os símbolos do cooperativismo

Falando em jeitos de atingir novos públicos, cabe mencionar a linguagem visual. O cooperativismo conta com símbolos bastante representativos, que sintetizam valores por meio de imagens.

Um deles é o círculo envolvendo dois pinheiros. A marca, nas cores verde e amarelo, carrega consigo diversas representações.

Essa espécie de árvore é símbolo da imortalidade e da fecundidade, pois cresce em terras pouco férteis e se espalha de maneira fácil. Já o invólucro redondo remete a tudo que é eterno, posto que não tem começo nem fim.

Observe, ainda, como os pinheiros se projetam para o alto. A direção ascendente traz a ideia de que a união cooperativista tende a crescer mais e mais.

Quanto à paleta utilizada, o verde-escuro simboliza a natureza e o equilíbrio com o meio ambiente. O amarelo, por sua vez, faz alusão ao sol, uma fonte permanente de energia e calor.

Junto ao círculo com os pinheiros, a identidade visual do cooperativismo ainda tem uma bandeira. Nela, há um arco-íris do qual emergem pombas da paz. Abaixo vem o logotipo da ACI.

Cada cor tem um significado. A saber:

  • Vermelho: a coragem;
  • Alaranjado: a visão de futuro;
  • Amarelo: os desafios em casa, na família e na comunidade;
  • Verde: o crescimento individual, tanto como pessoa quanto como cooperado;
  • Azul: o horizonte distante e a necessidade de ajudar os menos afortunados, unindo uns aos outros;
  • Anil: a necessidade de ajudar a si próprio e aos outros por meio da cooperação;
  • Violeta: a beleza, o calor humano e o coleguismo.

Quantos propósitos numa única ilustração, hein?


Resumindo, o cooperativismo valoriza as pessoas. São elas que ditam as regras para transformar sua realidade. Esses valores humanos contemplam os interesses coletivos com a mesma importância das aspirações individuais. O resultado é o equilíbrio da justiça social com a prosperidade econômica e da sustentabilidade com o lucro.

Gostou da ideia? Esperamos que o conteúdo de hoje tenha ensinado a você o que é cooperativismo e quais são os benefícios de uma cooperativa para os trabalhadores. Se quiser se aprofundar no assunto, continue acompanhando as novidades do nosso blog. Até a próxima!

Categorias: Cooperativismo