Cooperativas de Crédito

Cooperativa de crédito: o que é e como funciona

Tempo de Leitura: 4 minutos

Se você já ouviu falar em cooperativa de crédito, mas não sabe muito bem do que se trata, veio ao lugar certo. Hoje vamos explicar como funciona esse sistema. Além da participação democrática dos associados, o dinheiro investido pode render mais. Parece bom, né? Então siga conosco e entenda os detalhes.

O que é uma cooperativa de crédito

A Cooperativa de Crédito é uma livre associação de pessoas com o objetivo de fornecer crédito aos participantes. Entram aí empréstimos, financiamentos e outros serviços similares.

Porém, há uma diferença significativa em relação ao sistema bancário: os cooperados são, ao mesmo tempo, clientes e donos do negócio. Por conta disso, eles podem decidir os rumos da organização. Essa característica faz com que as taxas sejam mais baixas, facilitando a inclusão de pessoas com recursos limitados – caso dos pequenos produtores e empreendedores, por exemplo.

Leia mais: O que é a Cresol: entenda como funciona o sistema de cooperativa de crédito

Outro ponto de destaque é que as cooperativas de crédito não visam ao lucro. Todo o dinheiro que sobra é repartido entre os participantes ou, então, reinvestido na própria instituição.

Ainda assim, os grupos fazem parte do Sistema Financeiro Nacional. As regras para o funcionamento desse tipo de atividade constam na Lei Nº 5.764/71, que define a Política Nacional de Cooperativismo, e em decisões posteriores, como a Resolução Nº 3.859, do Banco Central, que consolida normas relativas ao cooperativismo de crédito.

Leia mais: Saiba como fazer parte de uma cooperativa

Princípios que regem o cooperativismo

Antes de compreender ainda mais a fundo como funciona a gestão de uma cooperativa financeira, vale a pena conhecer os princípios do cooperativismo. São sete itens que compõem a doutrina por trás de todas as organizações. Acompanhe:

1. Adesão livre e voluntária

Qualquer pessoa que queira participar da cooperativa pode se tornar um membro. Não há distinção de gênero, estrato social, etnia, religião ou ideologia política.

2. Gestão democrática

Todos os participantes são sócios da organização. Sendo assim, podem – e devem – participar ativamente das tomadas de decisão. Os representantes do grupo são escolhidos em eleições.

Leia mais: Semana ENEF 2020: Resiliência financeira é segredo para atravessar a crise

3. Participação econômica dos sócios

O controle do capital também é exercido de maneira democrática. Parte desse montante é de uso comum, destinada a pagar as despesas operacionais. As sobras, por sua vez, são rateadas entre os associados ao fim de cada ano.

4. Autonomia e independência

Uma cooperativa é uma organização autônoma. Mesmo quando houver participação financeira de um agente externo, como o governo, o controle democrático feito pelos sócios deve ser preservado.

5. Educação, formação e informação

As cooperativas contribuem para o crescimento pessoal e profissional dos associados. Fazem isso por meio de palestras, cursos etc. Em paralelo, devem informar ao público geral sobre suas ações, como forma de divulgar os benefícios do cooperativismo.

Dica: O que significa Cresol? Saiba mais sobre a nossa história

6. Intercooperação

O movimento cooperativista acredita na união. Ainda que um grupo de associados defenda seus interesses locais, o trabalho para o fortalecimento desse modelo de negócio pode envolver estruturas regionais, nacionais e até internacionais.

7. Interesse pela comunidade

As políticas aprovadas pelos membros da cooperativa buscam o desenvolvimento sustentável de sua comunidade. Deve-se pensar na geração de emprego e na qualificação, fatores importantes para a prosperidade de um lugar.

Como funciona uma cooperativa de crédito

Agora que listamos os princípios cooperativistas, fica fácil entender o funcionamento de uma cooperativa de crédito. Tudo se baseia em decisões de interesse comum.

Dica: Dia Internacional das Cooperativas de Crédito: Trazendo esperança à comunidade global

Primeiro, a pessoa decide associar-se à instituição e adquire cotas da cooperativa – uma quantia simbólica, apenas para demonstrar que há participação no negócio.

Em uma Instituição Financeira Cooperativa é possível abrir uma conta, obter cartão de crédito, fazer transações financeiras como pagamentos ou depósitos e, ainda, aplicar dinheiro em algum fundo de renda fixa.

Em acréscimo, há as assembleias. Essas são as ocasiões em que todos os cooperados se reúnem para definir o futuro da entidade. Eles elegem seus representantes, decidem onde alocar os recursos coletivos e realizam outras deliberações.

Dica: A comunicação nos dias atuais

No fim do ano, se ocorrer superávit, as sobras do exercício podem ser repartidas entre os associados. Outra possibilidade é reinvestir o montante para expandir as atividades da cooperativa de crédito.

Por que aderir a uma cooperativa de crédito

Uma das principais vantagens das cooperativas são as taxas reduzidas. Muitas não cobram tarifas para os serviços bancários básicos e, quando cobram, praticam valores inferiores aos do mercado financeiro. Os juros dos empréstimos também são mais baixos, de modo que os cooperados consigam obter crédito pagando parcelas que caibam no seu bolso.

Dica: Crédito pessoal: saiba como usá-lo

Além disso, você pode ganhar mais dinheiro. Uma cooperativa de crédito é uma associação sem fins lucrativos, então há isenção tributária em situações como o depósito a prazo. Esse detalhe pode garantir uma reserva financeira com rendimentos maiores. Sem falar no rateio das sobras do exercício.

Dica: Descubra os benefícios de fazer parte de uma cooperativa de crédito

Por fim, tem o propósito. Sendo cliente e sócio ao mesmo tempo, você participará de uma instituição que respeita suas necessidades individuais. Afinal, a comunidade só ganha quando cada cooperado próspera.

Gostou? Esperamos que o conteúdo de hoje tenha sido útil. Siga de olho no blog da Cresol para mais informações sobre cooperativismo de crédito. Até a próxima!

Categorias: Cooperativas de Crédito