Cooperativismo de Crédito Solidário, o que é?

Cooperativismo de Crédito Solidário, o que é?

Tempo de Leitura: 4 minutos

Quando ouvem que a Cresol é uma Cooperativa de Crédito com Interação Solidária, por vezes, as pessoas ficam confusas. O que isso significa exatamente?

Para nós, o cooperativismo de crédito solidário é mais que um conceito, é nossa essência. Está tão ligado a nós que é a base para o nosso nome. ‘Cre’ de crédito + ‘sol’ de solidário.

Foi pensando em acabar de vez com essas dúvidas que organizamos esse artigo. Primeiro vamos entender o que é cooperativismo, depois, o que é cooperativismo de crédito e, por fim, o que o solidário tem a ver com isso tudo.

Vamos lá?

O que é cooperativismo?

O Cooperativismo é um movimento europeu do século XVII, cujo objetivo era organizar coletivos de pessoas a partir de interesses comuns, como financiar processos produtivos ou vender seus produtos de maneira mais organizada e representativa.

Sua essência está na democracia, na valorização do ser humano e na busca por um mundo mais junto e igualitário. É uma organização coletiva onde todos os participantes tem voz e vez.

Desde a fundação da primeira cooperativa da história, em 1844, o movimento é baseado em 7 princípios, sendo eles:

1. Adesão voluntária e livre
As cooperativas são abertas para todas as pessoas que queiram participar, estejam alinhadas ao seu objetivo econômico, e dispostas a assumir suas responsabilidades como membro. Não existe qualquer discriminação por sexo, raça, classe, crença ou ideologia.

2.Gestão democrática
As cooperativas são organizações democráticas controladas por todos os seus membros, que participam ativamente na formulação de suas políticas e na tomada de decisões. E os representantes oficiais são eleitos por todo o grupo.

3. Participação econômica dos membros
Em uma cooperativa, os membros contribuem equitativamente para o capital da organização. Parte do montante é, normalmente, propriedade comum da cooperativa e os membros recebem remuneração limitada ao capital integralizado, quando há.

Os excedentes da cooperativa podem ser destinados às seguintes finalidades: benefícios aos membros, apoio a outras atividades aprovadas pelos cooperados ou para o desenvolvimento da própria cooperativa. Tudo sempre decidido democraticamente.

4. Autonomia e independência
As cooperativas são organizações autônomas, de ajuda mútua, controladas por seus membros, e nada deve mudar isso. Se uma cooperativa firmar acordos com outras organizações, públicas ou privadas, deve fazer em condições de assegurar o controle democrático pelos membros e a sua autonomia.

5. Educação, formação e informação
Ser cooperativista é se comprometer com o futuro dos cooperados, do movimento e das comunidades. As cooperativas promovem a educação e a formação para que seus membros e trabalhadores possam contribuir para o desenvolvimento dos negócios e, consequentemente, dos lugares onde estão presentes.

Além disso, oferece informações para o público em geral, especialmente jovens, sobre a natureza e vantagens do cooperativismo.

6. Intercooperação
Cooperativismo é trabalhar em conjunto. É assim, atuando juntas, que as cooperativas dão mais força ao movimento e servem de forma mais eficaz aos cooperados. Sejam unidas em estruturas locais, regionais, nacionais ou até mesmo internacionais, o objetivo é sempre se juntar em torno de um bem comum.

7. Interesse pela comunidade
Contribuir para o desenvolvimento sustentável das comunidades é algo natural ao cooperativismo. As cooperativas fazem isso por meio de políticas aprovadas pelos membros.

O que é cooperativismo de crédito?

Segundo a Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), o cooperativismo de crédito já movimenta mais de 8,5 milhões de brasileiros, espalhados por uma rede de 909 cooperativas que empregam mais de 67.000 pessoas.

O cooperativismo de crédito é resultado de uma conjuntura econômica de exclusão, por não verem nas instituições financeiras existentes a possibilidade de atenderem suas necessidades, as comunidades criaram organizações próprias com o intuito de prestar serviços financeiros de qualidade para seus associados.

Dessa forma, em uma cooperativa de crédito não existem clientes, existem sócios, todos os associados são donos do negócio e podem opinar todas as decisões da cooperativa. A vontade da maioria prevalece e é a partir dessa cooperação que tudo é decidido e construído.

O que é cooperativismo de crédito solidário?

Ser uma cooperativa de crédito solidário é estar alinhada aos conceitos da economia solidária, um termo que propõe que todo conjunto de atividades econômicas – produção, distribuição, consumo e crédito – sejam organizados na forma de autogestão.

Ou seja, que todo processo econômico que movimenta o mercado esteja nas mãos de cooperativas, associações, grupos de troca, entre outras formas de organização coletiva que priorizem a cooperação, o comércio justo e o consumo consciente.

A Cresol abraça essa ideia desde sua fundação, visto que, seu surgimento se dá para viabiliza o acesso ao sistema de microfinanças para fomentar a produção, principalmente às pessoas excluídas do sistema financeiro.
Partindo desse princípio, nosso sistema adota quatro compromissos:

– Ser administrado pelos próprios associados.

– Incentivar programas agroecológicos, o uso de energias renováveis e de bioconstrução.

– Promover o desenvolvimento local.

– Possuir uma gestão que promove a proximidade e participação.

Esses compromissos perpassam toda nossa atuação, influenciando em cada decisão tomada. Pode-se ver essa aplicação nas nossas regiões de atuação, por exemplo, nossas Cooperativas sempre estão inseridas em municípios de médio e pequeno porte, com uma população média de 30.000 habitantes.

Nossos associados são agricultores familiares e trabalhadores urbanos assalariados, pessoas que, por tradição, são excluídas do sistema financeiro tradicional por não representarem grande lucratividade para as grandes instituições financeiras.

Nossa especialidade é o microcrédito, seja para financiar a produção da agricultura familiar ou para realizar o sonho do negócio próprio do trabalhador urbano. Mas essa oferta de crédito é sempre baseada em um conceito que chamamos de crédito orientado.

A importância do crédito orientado

Ele funciona assim: as pessoas sempre vêm antes do dinheiro, por isso, antes de tentar te propor qualquer negócio, nós queremos te conhecer melhor.

Criar um relacionamento com cada associado é parte fundamental da perspectiva do crédito orientado, só assim podemos propor as melhores soluções para suas necessidades. E essa, aliás, é nossa obrigação, afinal, a Cresol não te clientes, tem sócios, e eles precisam receber sempre as melhores soluções.

Outro fator importante é que nós não trabalhamos com metas de vendas, pois nosso foco não está no lucro por si só, mas no atendimento correto e sustentável das demandas dos nossos associados.

Parte disso também está ligada a educação financeira, pois além de orientar suas transações financeiras, queremos que você tenha consciência e capacidade para fazer e administrar escolhas financeiras inteligentes, aliadas com seu propósito e sua essência.

Essa é nossa maneira de fazer negócios e realizar sonhos.

Se você chegou até aqui, também pode gostar de:
– – > Instituição Financeira: quatro perguntas para fazer antes de escolher a sua
– – > Falta Dinheiro e Sobra Mês: cinco dicas para engordar o Cá Brito
– – > Quatro desculpas que todo mundo usa para não contratar um seguro auto

Leia mais