Educação Financeira

Como renegociar o aluguel: veja 4 dicas

Como renegociar o aluguel: veja 4 dicas
Tempo de Leitura: 3 minutos

Se preferir, ouça a narração desta notícia:

A crise econômica que afeta o país tem causado um forte impacto no setor de moradia. Com os valores da locação de imóveis subindo muito acima da inflação oficial, alguns inquilinos não veem alternativa a não ser renegociar o aluguel.

Se você também está com dificuldade para bancar essa despesa fixa, preste atenção ao artigo de hoje. A seguir, vamos explicar por que os aluguéis ficaram tão caros nos últimos anos e quais são as soluções para quem precisa pagar menos. Lembre-se: com cordialidade somada a bons argumentos, é possível convencer o proprietário a baixar o preço das mensalidades. Aproveite as dicas!

O que é a renegociação de aluguel?

A Lei do Inquilinato prevê que, havendo comum acordo entre o locatário e o dono do imóvel, é possível determinar um novo valor para o aluguel ou alterar as cláusulas contratuais já existentes. Essa oportunidade de renegociação abre brecha para reduzir o valor do reajuste na época da renovação do contrato.

Trata-se de uma solução que vem sendo bastante procurada pelos inquilinos. Isso porque os preços dos aluguéis no Brasil dispararam.

A razão está no índice de reajuste utilizado para o cálculo. Na maioria das imobiliárias, o valor da parcela é atualizado com base no Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M). O indicador leva em conta a variação em setores como a produção agrícola, a indústria e a construção civil.

Em outubro deste ano, o IGP-M acumulava alta de 16,74% em 2021 e de 21,73%, considerando os 12 meses anteriores. Esse aumento superou a inflação oficial do país, que é dada pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). No mesmo período, o IPCA registrou alta de 8,24% no ano e de 10,67% nos 12 últimos meses.

Dica: Taxa Selic, IPCA, IGP-M… O que essas siglas significam?

Ou seja: em pontos percentuais, a inflação do aluguel cresceu mais que o dobro da inflação geral. Isso significa que os locatários passaram a comprometer uma parcela maior do orçamento para ter onde morar. O resultado é que falta grana para outras despesas básicas, como alimentação e transporte.

4 dicas para renegociar o aluguel

Neste contexto de crise, renegociar os valores do aluguel pode ser uma boa estratégia para equilibrar as contas no fim do mês. A seguir, confira sugestões de como conduzir as tratativas com o proprietário:

1. Pesquise o mercado imobiliário

O reajuste do aluguel, em geral, ocorre de forma automática a cada ano, com base no IGP-M. Ao longo do tempo, isso pode levar a uma distorção dos valores. Eles ficam bastante encarecidos, se comparados a novos contratos.

Portanto, pesquise imóveis semelhantes ao seu nos sites das imobiliárias locais. Veja se a média de preços é próxima do que você está pagando atualmente, ou se há margem para baratear as despesas. Essa informação vai ser útil na hora da barganha.

2. Liste argumentos sinceros

Além do fator inflação, vale a pena explicar por que a renegociação do aluguel é necessária no seu caso. Cite o aumento dos custos com gasolina, supermercado e conta de luz, por exemplo, e de que maneira isso impacta sua vida.

Dica: Contas de luz e gás aumentaram? Veja como economizar

Aqui é importante destacar as suas qualidades. Se você sempre pagou as mensalidades em dia e cumpre as regras do condomínio, provavelmente é um morador que o dono do imóvel desejará manter por mais tempo. Esse histórico favorável pode facilitar a negociação.

3. Proponha um ajuste razoável

Há diversos caminhos para renegociar o aluguel. Você pode propor um percentual de reajuste mais baixo, ou mesmo a troca do índice de referência. Em vez de usar o IGP-M, que tal basear o contrato no IPCA?

Outra forma de obter sucesso é sugerir a extensão do contrato mediante a isenção do reajuste. Assim, você continua pagando as mesmas parcelas de antes. O proprietário também sai ganhando, pois tem a renda garantida por mais tempo, dada a prolongação do prazo.

4. Opte pelo parcelamento

Caso as partes não cheguem a um acordo amigável, ainda existe a opção do parcelamento do aluguel. Algumas imobiliárias oferecem esse serviço a clientes que estejam com prestações atrasadas. Na prática, o valor da dívida é dividido em várias vezes, como se fosse uma compra a prazo.

Importante: embora funcione como solução emergencial para desafogar o orçamento, essa não é uma alternativa sustentável no longo prazo, já que novas cobranças chegarão. Desse modo, apele ao reparcelamento apenas se você tiver perspectivas de aumentar a renda nos próximos meses.

Cuide de suas finanças com a Cresol

Gostou do artigo de hoje? Esperamos que o conteúdo ajude você na renegociação dos valores do aluguel. Aproveite e confira outras dicas aqui no blog!

Lembre-se de que manter os gastos sob controle e reduzir dívidas são medidas importantes para você ter uma relação saudável com o dinheiro.

Mas, se finanças pessoais não são o seu forte, conte com a Cresol. Nós temos diversas soluções em crédito, consórcio e investimentos para quem deseja prosperar na vida. Saiba mais no nosso site.

Categorias: Educação Financeira