Educação Financeira

Conheça práticas abusivas do comércio e aprenda a evitá-las

Casal comprando online
Tempo de Leitura: 4 minutos

Já teve a sensação de que queriam passar você para trás? No comércio, essa vantagem indevida tem até nome. São as chamadas práticas abusivas, um conjunto de situações em que o fornecedor do produto ou serviço acaba prejudicando o consumidor.

Em alguns casos, o motivo para esse comportamento é pura má-fé. Em outros, trata-se de desconhecimento da lei. Seja como for, é importante prestar atenção na hora das compras para garantir que os seus direitos sejam atendidos.

Por isso, hoje vamos nos aprofundar nesse assunto. Fique conosco para entender melhor o que são as práticas abusivas no comércio, como identificá-las e como se proteger delas.

O que são práticas abusivas no comércio?

Pode ser considerada prática abusiva qualquer ação que ponha o cliente em desvantagem. Vale lembrar que o consumidor é considerado a parte mais fraca na relação comercial, pois nem sempre tem poder econômico ou conhecimento das leis que regem a venda de produtos e serviços. Em função disso, alguns estabelecimentos se aproveitam dessa fragilidade para faturar mais, o que é ilegal.

Induzir a pessoa ao engano, pressioná-la para comprar algo que ela não quer ou então recorrer à venda casada são alguns exemplos de abusos (falaremos mais sobre isso logo adiante). Essas práticas estão descritas no Código de Defesa do Consumidor (CDC).

Aliás, você conhece o CDC?

Código de Defesa do Consumidor é o nome popular da Lei Nº 8.078, instituída em setembro de 1990. Ele estabelece regras para as relações de compra, com o objetivo de evitar prejuízos ao público.

O artigo 39 do texto oficial trata especificamente das práticas abusivas. Nesse trecho, são listadas ações proibidas no comércio de bens e serviços, as quais detalharemos a seguir.

Vale lembrar que todo estabelecimento comercial deve manter um exemplar do CDC à disposição para consulta da clientela. Essa exigência passou a vigorar em 2010, com a promulgação da Lei Nº 12.291.

Conheça as principais práticas abusivas do comércio

A lista abaixo compila nove práticas consideradas abusivas pelo CDC. Embora a lei as proíba, o fato é que elas infelizmente continuam aparecendo por aí. Acompanhe:

Venda casada

Esse é o ato de condicionar a aquisição de um produto ou serviço à compra de outro. Por exemplo, você só pode contratar o plano de telefonia se levar o pacote de internet banda larga junto. Ou, então, só consegue financiar um carro se pagar um valor a mais pelo seguro.

Claro que as empresas podem oferecer produtos e serviços extras. Porém, quando o cliente não quer esses adicionais, tem o direito de comprar apenas o que gostaria.

Envio não solicitado

Em alguns casos, a loja entrega ao cliente produtos ou serviços não solicitados. Quando for amostra grátis, tudo bem. Agora, se houver cobrança, está caraterizada mais uma prática abusiva.

Assédio a grupos vulneráveis

Crianças, idosos e outros sujeitos fragilizados por condição social ou de saúde são considerados vulneráveis. De acordo com o CDC, o fornecedor não deve se prevalecer dessa fraqueza para empurrar produtos ou serviços.

Falando nisso, é importante lembrar que bandidos se aproveitam da inocência ou da falta de informação das pessoas para aplicar golpes financeiros. Os cidadãos mais velhos são um público bastante visado.

Dica: Fraudes financeiras – como evitar golpes na internet

Constrangimento

O CDC também veta qualquer possibilidade de uma empresa humilhar, difamar ou expor ao ridículo seu cliente. Isso vale até mesmo para as situações de cobrança – caso a pessoa esteja com parcelas do carnê atrasadas, por exemplo.

Cobrança indevida

Ocorrem práticas abusivas quando o estabelecimento eleva, sem justificativa, o preço da mercadoria, ou quando aplica um índice de reajuste nas compras parceladas diferente daquele que foi estabelecido em contrato. Inclusive, fica o alerta: a contratação de um serviço depende da apresentação de orçamento prévio. Ou seja: ao fechar acordo, você já tem que saber exatamente quanto vai pagar.

Recusa ao atendimento

Conforme o CDC, é proibido “recusar atendimento às demandas dos consumidores” caso haja disponibilidade para supri-las. Para ilustrar, imaginemos um salão de beleza: se há horário livre na agenda, qualquer cliente tem direito de marcar um corte de cabelo. Negar o serviço pode ser interpretado como um ato discriminatório.

Falsa falta de produto

Acredite: às vezes a equipe de vendas finge que determinado produto está em falta no estoque para oferecer uma alternativa mais cara ao consumidor. Obviamente, essa é uma prática desleal e, portanto, abusiva.

Propaganda enganosa

O artigo 37 do Código de Defesa do Consumidor reprova toda forma de publicidade enganosa. Isso significa induzir ao erro por omissão de informações, ou mesmo por divulgação de informações falsas.

O fabricante promete coisas que o produto não faz? Ou diz que vende suco de laranja, quando na verdade é um refresco com sabor artificial da fruta? Bingo: aí estão algumas propagandas irregulares.

Cláusulas abusivas

Por fim, devemos citar as cláusulas abusivas, isto é, as exigências contratuais que põem o consumidor em desvantagem. O artigo 51 do CDC lista uma série delas. Em geral, busca-se um equilíbrio de forças entre as partes. Por exemplo, se a empresa puder rescindir o contrato unilateralmente, essa opção também deve ser dada ao contratante do serviço.

Leia também: Como fugir da armadilha das pirâmides financeiras

Como evitar práticas abusivas nas compras?

Agora que você conhece melhor as principais práticas abusivas do comércio, será mais fácil identificar as situações que fogem à lei. Caso se depare com uma delas, tente uma destas vias:

1. Primeiro, procure não se submeter a situações abusivas. Evite compras casadas de produtos ou serviços e leia atentamente os contratos.

2. Se, mesmo assim, você sentir que houve abuso, vá ao estabelecimento ou recorra ao serviço de atendimento ao consumidor para resolver o problema com a própria loja.

3. Se a situação persistir, dirija-se à agência mais próxima do Procon. Você poderá registrar uma queixa formal junto ao órgão de defesa do consumidor, o que aumenta as chances de resolução do impasse.

Gostou? Esperamos que o conteúdo de hoje tenha sido útil. Continue de olho aqui no site para mais dicas sobre economia, finanças pessoais e consumo saudável. Até a próxima!

Categorias: Educação Financeira