Cooperativas de Crédito

Os impactos do cooperativismo de crédito no Brasil

Os impactos do cooperativismo de crédito no Brasil
Tempo de Leitura: 3 minutos

Se preferir, ouça a narração deste artigo:

O acesso facilitado a empréstimos e financiamentos é apenas um dos impactos do cooperativismo de crédito no Brasil. Esse sistema, além de oferecer soluções financeiras aos associados, contribui para a prosperidade do país. Fique conosco e entenda como o movimento cooperativista também pode ser vantajoso para você.

O que é o cooperativismo de crédito

Uma cooperativa de crédito é uma livre associação entre pessoas. Seu objetivo é fornecer serviços financeiros aos participantes, tais como empréstimos e financiamentos. Porém, existe uma diferença em relação ao sistema bancário: não há lucro. Assim, o dinheiro que sobra pode ser reinvestido na operação, ou mesmo repartido entre os cooperados.

Cada membro também se torna sócio da organização. Desse modo, como todo mundo é um pouco dono da cooperativa, todos têm direito de definir os rumos do negócio. Para isso ocorrem as assembleias, reuniões nas quais é possível votar sobre o uso dos recursos. Essa medida garante que o desejo da maioria seja respeitado, num movimento democrático de controle do capital.

Em outras palavras, o cooperativismo atende às necessidades dos membros, e não necessariamente aos interesses de uma grande corporação. Ele é uma alternativa para oferecer crédito a juros baixos, que caibam no orçamento da maioria das famílias. Portanto, pode ser a solução para você levantar a grana que vai mudar sua vida.

Dica: O que é cooperativismo? Entenda como o sistema funciona

O cooperativismo de crédito no Brasil

Quem trouxe o cooperativismo de crédito ao Brasil foi o padre jesuíta Theodor Amstad. Atuante nas colônias de imigrantes alemães do Rio Grande do Sul, ele se juntou a lideranças comunitárias para formar a Caixa de Economias e Empréstimos que levava seu sobrenome, em 1902. 

O movimento cooperativista foi passando por transformações ao longo do século XX e a consolidação como modelo financeiro viável para pequenos produtores aconteceu a partir da década de 1980.

Atualmente, são mais de 10,7 milhões de cooperados no país no ramo de crédito, segundo o Anuário do Cooperativismo Brasileiro 2020. O sistema é uma importante via de desenvolvimento socioeconômico para a população, especialmente em tempos de insegurança financeira.

No ano de 2020, as cooperativas foram as instituições que mais concederam empréstimos a pequenos negócios, sendo responsáveis por 31% do total no país. Em seguida vieram os bancos privados (12%) e públicos (9%).

As vantagens de uma cooperativa de crédito

Por serem organizações sem fins lucrativos, as cooperativas de crédito brasileiras têm isenção tributária. Essa característica, quando combinada à gestão democrática dos recursos, traz vantagens significativas aos participantes. Veja algumas delas:

Crédito facilitado

Associados conseguem obter financiamento, empréstimo e outras linhas de crédito com muito mais facilidade. Isso porque as taxas cobradas pelas cooperativas são mais baixas, em comparação às de outras instituições financeiras. Logo, são mais fáceis de pagar.

Mais rendimentos

A isenção tributária reduz os custos operacionais das cooperativas de crédito. Por conta disso, elas podem entregar produtos mais qualificados, como aplicações que rendem acima da inflação. E os membros ainda contam com a participação nos resultados, que pode garantir uma graninha extra em anos de superávit.

Prosperidade

O interesse pela comunidade é um dos princípios que regem o cooperativismo. As políticas aprovadas por essas organizações sempre levam em consideração o desenvolvimento local. A ideia é que os investimentos do grupo tragam geração de emprego e qualificação profissional, fatores importantes para a prosperidade econômica.

A importância do cooperativismo de crédito no Brasil

De acordo com o Anuário do Cooperativismo Brasileiro 2020, as cooperativas de crédito estão em todas as unidades federativas do país. Aliás, elas são as únicas instituições financeiras fisicamente presentes em 594 municípios. Ou seja: atingem até mesmo o Brasil profundo, onde a rede bancária não chega.

Tamanha penetração ajuda no desenvolvimento social e econômico das localidades. Basta acompanhar a lógica: primeiro, a pessoa consegue crédito para investir num pequeno negócio. Então ela gera emprego para seus vizinhos.

Com mais renda, esses trabalhadores consomem no mercado, nas lojas e na farmácia do bairro. Há mais dinheiro circulando na comunidade, o que aquece a economia local e possibilita a expansão das atividades. Resultado: em breve haverá oportunidades de emprego para mais gente.

Dica: A importância do cooperativismo para a geração de empregos

O cooperativismo de crédito, no Brasil, colabora para um círculo virtuoso em que trabalho e solidariedade andam juntos. E você também pode fazer parte dessa história.

Quer saber como? Associe-se à Cresol. Nós temos soluções financeiras para todos.

Esperamos que o conteúdo de hoje tenha sido útil para você. Se gostou, compartilhe com amigos e familiares!

E aproveite para continuar acompanhando nosso blog. Logo mais voltaremos com outros artigos sobre investimentos pessoais e educação financeira. Até a próxima!

Categorias: Cooperativas de Crédito , Cooperativismo