Comportamento

Entenda de vez o que é Open Banking e Open Finance

Entenda de vez o que é open banking e open finance
Tempo de Leitura: 4 minutos

Se preferir, ouça a narração deste artigo:

Você já ouviu falar sobre Open Banking e a evolução dessa rede de troca de dados e serviços entre bancos, que revolucionou o sistema financeiro? O Open Banking e o Open Finance são uma nova maneira de se relacionar com as instituições, chegaram para facilitar ainda mais o relacionamento entre o universo das finanças e as pessoas. 

Antes, ao construir uma relação com as organizações financeiras, o processo costumava ser lento e burocrático. Com o nascimento do Open Finance, ficou mais fácil transmitir o histórico financeiro pessoal de cada cliente para a instituição de preferência. 

A consequência é que contratar serviços, como por exemplo crédito, empréstimos e seguros, se torna mais fácil para todas as partes — já que não há mais burocracia e as taxas tendem a diminuir e se tornarem mais atrativas com essa praticidade na comunicação.

Quer descobrir mais sobre esse novo recurso do mercado financeiro? Continue lendo para saber tudo sobre esse assunto.

O que é o Open Finance?

A definição do Open Finance, do inglês, é “finanças abertas”. É a evolução do Open Banking, que chegou com o objetivo de compartilhar dados e serviços entre instituições financeiras diferentes através de um sistema padronizado para bancos públicos e privados, cooperativas de crédito e fintechs.

Essa evolução consiste no programa que leva o compartilhamento desses dados a um número maior de instituições financeiras, por exemplo: corretoras de seguros, plataformas de investimentos e fundos de pensão e de previdência. 

O Open Finance é seguro?

Ao contrário do que se pode pensar, essa ampliação de acesso às informações não compromete a segurança dos dados: exatamente por se tratar de uma plataforma única e padronizada, tudo está seguro. 

Além disso, para que efetivamente as instituições tenham acesso às informações, cada correntista precisa aceitar o compartilhamento das suas informações financeiras. Ou seja, nada será feito sem o consentimento da pessoa ou empresa. 

As instituições financeiras que irão operar precisam seguir uma série de requisitos de segurança. Além dessas implicações, ainda há as exigências previstas em lei, as quais já são aplicadas atualmente para as transações como TED, DOC e, mais recentemente, o Pix

Dica: Aprenda a se proteger dos golpes financeiros mais comuns

Autonomia: seus dados no seu controle

À primeira vista, pode até parecer contraditório, mas o Open Finance traz muito mais autonomia para os usuários, que estarão 100% no controle de seus dados e informações. Como falamos antes, os dados são compartilhados apenas com instituições financeiras autorizadas e supervisionadas pelo Banco Central.

Outro ponto importante é que você pode cancelar o compartilhamento quando quiser! 

Open finance e a LGPD

A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), vigente desde agosto de 2020, não está alheia ao Open Finance; pelo contrário, ela também é um “garantidor” da segurança das informações

Por mais que o Open Finance esteja relacionado somente ao compartilhamento de dados e não ao seu tratamento — como prevê a LGPD — as instituições financeiras, desde o ano passado, já sabem das diretrizes desta Lei e vêm se adequando a elas. Então, criou-se um processo seguro do início ao fim, garantindo a sua tranquilidade

Open finance e o Banco Central

Sabemos que, no Brasil, o Banco Central é a entidade que regula, fiscaliza e orienta todo sistema financeiro. Com o Open Finance, não é diferente: o processamento dos dados vai ser todo supervisionado e protegido pelo BCB.

Esse controle permite que a instituição tenha uma visão ampla do programa e, com a colaboração das instituições autorizadas, possa corrigir possíveis erros no processo, bem como melhorar e otimizar o funcionamento do Open Finance

Dica: Pix: impactos do novo meio de pagamento

As 4 fases da implementação do Open Finance no Brasil

Por mais que pareça uma novidade recém-lançada, o Open Finance já começou. O processo foi dividido em quatro etapas. Confira mais informações!

Primeira fase

Talvez você não tenha muitas informações sobre esta primeira etapa, já que ela foi direcionada para as instituições financeiras (IFs). Assim, os bancos e demais IFs disponibilizaram canais públicos para facilitar o acesso à informação sobre tarifas, produtos e serviços, empréstimos, financiamentos, entre outros dados.

Segunda fase

Neste segundo momento, inicia-se efetivamente o compartilhamento de dados cadastrais de clientes. Aqui, entra o consentimento e a aceitação do usuário para que as instituições financeiras possam consultar as informações.

Terceira fase

A partir daqui, pessoas e empresas que avalizaram o compartilhamento dos dados passam a ter acesso também a aplicativos “mediadores” para fazer pagamentos e transferências, tendo mais uma opção além do internet banking ou aplicativo do seu banco.

Além disso, as IFs também podem consultar informações sobre oferta de crédito (o que traz muito mais competitividade para o cliente, visto que a instituição financeira possivelmente melhorará suas condições comerciais por saber mais sobre ele). 

Quarta fase

Até aqui, o processo considerava a ideia inicial do Open Banking. Esta última etapa é o que caracteriza o Open Finance, com a abertura da consulta às informações a outras empresas do ramo financeiro, conforme mencionamos no início deste conteúdo. 

Quais as perspectivas do Open Finance?

Se você achou que é “só” isso, enganou-se! O projeto já tem outras ações previstas para 2022, as quais visam dar ainda mais autonomia a cada pessoa sobre a sua vida financeira.

Seja para iniciar um relacionamento com uma nova instituição financeira ou para melhorar as condições comerciais de uma solução, o Open Finance possivelmente irá evoluir muito e adaptar-se à realidade e às novas demandas que surgirão. 

Processos burocráticos e demorados estão com os dias contados: o Open Finance vai trazer mais agilidade para tudo, possibilitando o compartilhamento de dados e contratação de serviços em apenas alguns cliques, descomplicando e melhorando o dia a dia financeiro de todos. 

Aqui na Cresol, nós estamos atentos a tudo para que cada cooperado possa ficar sabendo das mudanças e impactos do Open Finance. Você já sabe que o relacionamento é um dos nossos diferenciais e, mais do que nunca, nós podemos mostrar a você como uma cooperativa de crédito sólida e completa pode mudar sua relação com o dinheiro para que você possa realizar sonhos e planos do seu jeito.

Vem junto. Somos a Cresol!

Categorias: Comportamento , Soluções Financeiras