Comportamento

Inspiração: conheça as trajetórias de 10 empreendedoras de sucesso

Inspiração: conheça as trajetórias de 10 mulheres de sucesso
Tempo de Leitura: 6 minutos

Se preferir, ouça a narração deste artigo:

Há um ditado antigo que diz: por trás de um grande homem, há uma grande mulher. Atualmente, este ditado precisa ser atualizado, considerando a crescente presença feminina nos negócios. Por meio de muitas lutas e batalhas, as mulheres empreendedoras têm se tornado cases de sucesso em diversos segmentos, delimitando seu espaço e mostrando suas habilidades e capacidades de gerenciar empresas.

Aliando soft skills (habilidades interpessoais) e hard skills (habilidades técnicas), as mulheres registram um desempenho acima da média e galgam uma trajetória ascendente. 

Apesar de tantas conquistas, não se pode negar que as mulheres empreendedoras tendem a ter mais trabalho em função de ainda vivermos em uma sociedade que não tem a igualdade de gênero entre seus pilares.

Empreendedorismo feminino: 10 mulheres empreendedoras para se inspirar

Com o surgimento frequente de histórias de mulheres empreendedoras, a inspiração está cada vez mais perto de nós. Se pararmos para pensar, é fácil identificar algumas mulheres próximas a nós que são um modelo a ser seguido.

No entanto, no âmbito geral, as mulheres empreendedoras ainda representam uma porcentagem pequena no cenário dos negócios. No Brasil, segundo estatísticas, as mulheres ocupam posição de destaque em apenas 13% das 500 maiores empresas brasileiras. 

Por outro lado, são elas que lideram modelos de negócios de MEIs: esse cenário nos mostra o quanto ainda precisamos avançar na busca por abertura de espaços de liderança. 

O empreendedorismo feminino traz grandes ganhos para toda sociedade, principalmente internamente nas empresas, já que as mulheres – naturalmente – possuem um olhar mais amplo para as pessoas, o que aumenta o engajamento das equipes e leva a melhores resultados financeiros

Zica Assis

Foto: Divulgação

A trajetória de Zica Assis no ramo da beleza começou por uma necessidade que se tornou uma grande oportunidade: desde jovem, a empreendedora percebia que o mercado voltado para cuidados capilares ainda precisava evoluir muito para mulheres com cabelos crespos. 

Ainda em casa, Zica fazia testes até que chegou à formulação do seu produto mais conhecido: o Super Relaxante. De lá para cá, Zica cresceu e atualmente conta com a rede Beleza Natural

Sarah e Julinha Lazaretti

Foto: Divulgação

Quando falamos em empreendedorismo, muitas pessoas pensam que se tratam de negócios relativamente novos que surgem no mercado, não é mesmo? Mas, a história de Sarah e Julinha Lazaretti, fundadoras da Alergoshop, em 1993, vem para desmistificar esse conceito. 

A partir de um caso familiar de dermatite atópica, Sarah e Julinha Lazaretti viviam a difícil missão de encontrar cosméticos e produtos de limpeza, entre outros, que considerassem as limitações alérgicas. O negócio iniciou com revenda de produtos prontos e, depois, com o apoio de suas formações, avançou para o desenvolvimento de produtos próprios

A empresa não para e está em constante desenvolvimento, atuando em diferentes canais e buscando estar sempre à frente de seu tempo. 

Luiza Helena Trajano

Foto: Divulgação

Quem acha que a história de sucesso da presidente da Magazine Luiza aconteceu somente na pandemia está enganado. À frente da empresa desde os anos 90, Luiza foi responsável pelo boom da expansão e abertura de mais de 700 lojas. 

Além disso, é sinônimo de inovação e humanização por posicionar-se a favor da inclusão e do desenvolvimento do empreendedorismo feminino, bem como do intraempreendedorismo na rede.

Marina Silva (Nina Silva)

Foto: Divulgação

Nina entendeu, desde o início de sua história, que não é possível ser protagonista de grandes transformações sem que se tenha redes de conexões de pessoas. O Black Money, sua principal realização, é um hub que fomenta a independência financeira de pessoas negras

Através de palestras, treinamentos e outros formatos de atividades, Nina vai além-fronteiras, contextualizando cenários sob a perspectivas de diferentes públicos. 

Dica: Entenda a importância do empreendedorismo feminino

Ana Fontes

Foto: Luciana Prezia

Possivelmente, em algum momento dos últimos tempos, você se deparou com histórias de pessoas que abandonaram carreiras sólidas para dar vida a um plano de vida (e de negócios) totalmente diferente. Ana Fontes é um desses casos: ela se tornou uma mulher empreendedora e deu vida à Rede Mulher Empreendedora.

Essa iniciativa vem da experiência e das dificuldades do caminho empreendedor de Ana, as quais ela repassa a mulheres que querem entrar nesse mundo. Em âmbito online, a rede oferece suporte às empreendedoras em diversas áreas.

Marcia Tozo

Foto: Ana Schad

A culinária é um dos grandes trampolins de muitas mulheres empreendedoras. É por meio da arte de cozinhar que algumas mulheres iniciam suas empresas e constroem carreiras de sucesso. 

A trajetória de Marcia se encaixa nesse perfil, transformando a paixão pela confeitaria junto com a arte de ensinar em um negócio lucrativo e que, acima de tudo, ajuda outras mulheres. Marcia tem um negócio digital de sucesso ensinando confeitaria a quem tiver interesse.

Alcione Albanesi

Foto: Divulgação

Para Alcione, foi – literalmente – uma luz que a guiou para iniciar um empreendimento. Ela foi a responsável pela fundação da FLC, uma das maiores marcas de lâmpadas do país. Em paralelo, Alcione também iniciou suas atividades na ONG Amigos do Bem. 

O chamado para a atuação social foi maior e após vender a FLC, Alcione está integralmente nas atividades da ONG, onde pode compartilhar seus conhecimentos e fomentar o desenvolvimento de pessoas com menos condições.

Mônica Hauck

Foto: Divulgação

Poderíamos resumir a Mônica em: uma mulher que entende as pessoas. Seu gosto pelo comportamento humano aliado aos conhecimentos de programação e estatísticas de seu marido foram os ingredientes para a criação da Solides, uma ferramenta que atua otimizando o dia a dia do setor de RH das empresas.

A necessidade de tornar os Recursos Humanos mais estratégico e ágil foram essenciais para que a Solides registrasse um crescimento de 40% ao ano nos primeiros 5 anos de existência. De lá para cá, Mônica cresceu junto com a empresa, tornando-se uma referência de mulher empreendedora. 

Chieko Aoki

Foto: Divulgação

Apesar do nome e de ter nascido no Japão, Chieko Aoki tem nacionalidade brasileira e é referência no segmento hoteleiro do país pela fundação da cadeia de hotéis Blue Tree. Ainda criança, Chieko veio para o Brasil com a família, sendo a responsável pela comunicação, já que se propôs a aprender português para facilitar a vida de todos. 

Sabendo da importância do conhecimento desde cedo, ela sempre buscou a qualificação. A partir de acontecimentos pessoais, Chieko vivenciou altos e baixos do mundo dos negócios. Foi assim que ela reuniu características de administração de diferentes culturas para criar sua própria fórmula. E deu certo!

Sônia Hess de Souza

Foto: Vinícius Santa Rosa

A mulher empreendedora Sônia é um negócio de família até no nome: a história começou quando seu pai, chamado Duda, comprou tecidos demais e, para evitar o prejuízo, Dona Lina, sua mãe, passou a utilizar as sobras para fazer novas camisas para venda. 

Apesar de ser uma família grande, apenas Sônia, entre seus 12 irmãos, assumiu a empresa Dudalina, tornando-a uma referência em seu segmento. 

Dica: Planejamento financeiro empresarial: 6 dicas para montar o seu

Perspectivas para o futuro das empreendedoras

Como falamos anteriormente, mulheres empreendedoras estão entre nós, disseminando seus ensinamentos e se tornando grandes referências. No entanto, ainda há muito caminho para desbravar. 

Muitos são os passos a serem dados para que a mulher empreendedora esteja efetivamente presente no mundo dos negócios. A pandemia da Covid-19 foi um grande impulsionador dessa mudança (apesar de, em grande parte, ser por necessidade e sem uma estrutura pensada e planejada). 

Conscientização, educação, cultura e debates são as melhores ferramentas para que possamos tornar o empreendedorismo feminino algo natural e igualitário. O trabalho começa na escola, trazendo discussões e reflexões sobre o papel da mulher na sociedade como um todo. 

Vale lembrar que se trata da responsabilidade de todos, cooperando para que cada vez mais mulheres estejam à frente de negócios. 

Aqui na Cresol, pela nossa essência, já temos um compromisso com o desenvolvimento e a construção de uma sociedade mais igualitária, em que cada um tenha seu espaço de voz ativa e de participação. Sabemos que nosso papel, aliado a outras ações, ganha amplitude e ajuda mulheres a se tornarem inspiração para muitas outras. 

Conte com a Cresol para soluções financeiras e acompanhe nossos conteúdos no blog e nas redes sociais para ficar por dentro de tudo que acontece no mercado financeiro.

Categorias: Comportamento