Financiamento: veja os tipos e como essa modalidade funciona

Financiamento: veja os tipos e como essa modalidade funciona

Tempo de Leitura: 6 minutos

Se preferir, ouça a narração deste artigo:

Transformar sonhos em realidade, muitas vezes, depende de dinheiro. É o que acontece com quem compra o primeiro carro ou abre o próprio negócio, por exemplo. Só que nem todo mundo tem recursos para bancar a empreitada à vista, então a saída é recorrer a alternativas como o financiamento.

Hoje vamos explicar como essa modalidade de crédito funciona e apresentar os tipos de financiamento disponíveis no mercado. Você também vai aprender quais são as diferenças entre financiamento, empréstimo e consórcio e conhecer os cuidados que precisa tomar na hora de contratar esse tipo de crédito.

Acompanhe!

O que é financiamento?

O financiamento é uma antecipação de crédito. Trata-se de um contrato entre quem precisa de dinheiro (pessoa física ou jurídica) e uma instituição financeira capaz de fornecê-lo (bancos e cooperativas).

A modalidade é usada para fins específicos, como a compra de um imóvel ou de um veículo.

Quem recorre a essa opção consegue adquirir bens de alto valor, mas com condições facilitadas de pagamento. A pessoa vai quitando a dívida aos poucos, em prestações acrescidas de juros.

E o bem financiado é a garantia do negócio. Assim, se por acaso o cliente atrasar as parcelas ou cair na inadimplência, o produto poderá ser tomado pela instituição financeira e até ir a leilão.

Quais são os principais tipos de financiamento que existem?

Como dissemos anteriormente, o financiamento ajuda você a realizar aqueles sonhos caros que não dá para bancar à vista. Abaixo, listamos algumas das opções mais comuns dessa antecipação de crédito. Confira:

Financiamento de imóvel

O financiamento de imóvel é a escolha de quem sonha com a casa própria. Após pagar a entrada, você pode parcelar o restante do valor em 10, 20 ou 30 anos, a depender das condições do contrato. Essa modalidade vale para residências de todo tipo, mas também para espaços comerciais.  

Financiamento de veículos

Esse tipo de crédito ajuda na compra de motocicletas, automóveis e outros veículos de passeio. É a opção para quem precisa sair rodando o quanto antes. Em outras palavras, se você não pode esperar meses até a contemplação em um consórcio, a solução está no financiamento de veículo.

Financiamento de equipamentos

Também dá para financiar máquinas, equipamentos e veículos utilitários. Essa alternativa serve para equipar um estabelecimento em início de atividade, ou mesmo para renovar o maquinário de uma companhia já existente. 

Vale destacar que o investimento em infraestrutura costuma ser alto, de modo que o pagamento parcelado garante mais saúde ao caixa da empresa.

Financiamento estudantil

Existe, ainda, o financiamento estudantil para quem faz a graduação em uma faculdade particular. Nesse caso, as mensalidades ficam mais baixas no decorrer do curso, mas o pagamento continua por alguns anos além da formatura

Essa pode ser a chance de concluir o Ensino Superior numa universidade de excelência, e sem comprometer o orçamento da família.

Leia também: O que é e como contratar crédito pessoal

Por que fazer um financiamento?

O financiamento é uma modalidade de crédito interessante para quem deseja adquirir um bem agora ou fazer um curso superior (no caso do financiamento estudantil), mas não tem dinheiro para realizar a compra à vista. Afinal, o crédito vai te permitir utilizar o bem adquirido, antes de pagar por ele.

Além disso, vale lembrar que um financiamento permite que você adquira bens de maior valor (um imóvel, por exemplo), o que poderia ser bem mais difícil com a contratação de um empréstimo.

Outra vantagem do financiamento em relação aos empréstimos é à taxa de juros, que costuma ser mais baixa visto que o financiamento tem o bem como garantia.

E também não dá para deixar de destacar que o financiamento é uma boa opção para quem gosta de manter as finanças sob controle

De maneira geral, esse tipo de crédito é concedido sob duas tabelas: a Price, que tem parcelas do mesmo valor do início ao fim do contrato, e a SAC, que tem parcelas decrescentes, que vão reduzindo de valor ao longo do contrato.

Ou seja, sem chance de se deparar com uma taxa extra ou um valor que não estava previsto.

Como contratar um financiamento?

A primeira coisa que você precisa saber é que, para contratar um financiamento, você vai precisar buscar por uma instituição financeira que ofereça essa modalidade de crédito. A Cresol, por exemplo, oferece opções de crédito para compra de imóveis ou de veículos.

A instituição financeira escolhida irá fazer uma análise de crédito, avaliando seu histórico financeiro, sua renda mensal e suas condições de manter o pagamento em dia. Aqui vale ressaltar que ter o nome sujo ou um score de crédito baixo pode tornar a concessão do crédito inviável para você.

Se o financiamento for viável, você deverá apresentar diversos documentos para o banco ou para a instituição financeira escolhida, bem como os detalhes do bem que você deseja adquirir. Entre os documentos solicitados, os principais costumam ser comprovante de renda, declaração de imposto de renda, extratos bancários, entre outros.

A instituição financeira realiza uma avaliação técnica e uma avaliação jurídica, analisando a veracidade da documentação apresentada e a compatibilidade do valor do bem desejado com os valores praticados no mercado.

Se todas essas etapas forem bem-sucedidas, o financiamento é aprovado e, finalmente, você e a instituição financeira em questão podem partir para a assinatura do contrato e a compra do bem envolvido na transação.

Dica: Cartão de crédito e débito Cresol

Cuidados importantes

Por mais que o financiamento seja uma alternativa muito interessante para muita gente, é preciso ter atenção na hora de solicitar o crédito. Afinal, trata-se de uma dívida que você está adquirindo. Confira alguns cuidados importantes que você deve adotar:

Faça um planejamento

Antes de assinar o contrato para tomar o crédito, você precisa ter clareza sobre o valor das parcelas e se planejar para manter o pagamento em dia. Lembre-se que o financiamento é, geralmente, um crédito de longo prazo e se você não fizer um planejamento financeiro de forma adequada, pode acabar se atrapalhando no meio do caminho.

Avalie sua necessidade

Como dissemos anteriormente, o financiamento é uma dívida que você adquire, portanto é fundamental que você avalie a real necessidade de buscar por esse crédito no mercado. 

O financiamento vai comprometer sua renda, possivelmente por anos, então você precisa ter certeza de que realmente precisa desse crédito e de que ele é a melhor alternativa para a compra do bem desejado.

Pesquise diferentes condições

Mesmo que você tenha uma instituição de confiança ou que ache a proposta apresentada por um banco boa, é muito importante pesquisar em diferentes instituições e verificar quais são as condições oferecidas por cada uma. Taxas de juros, prazo de pagamento e valor das parcelas são algumas das variáveis nas quais você precisa estar de olho.

Leia o contrato

A regra de nunca assinar um contrato sem ler todas as cláusulas vale ainda mais nos casos em que você está prestes a adquirir uma dívida. Não tenha pressa de firmar o acordo e tenha certeza de que todas as diretrizes do contrato foram detalhadamente explicadas pela instituição financeira. Só assine quando tiver total segurança em relação ao acordo que está sendo firmado.

Avalie a instituição

Mesmo que as condições sejam interessantes e o contrato esteja 100% de acordo com o que foi conversado na solicitação do crédito, você precisa garantir que a instituição financeira escolhida é de confiança

Procure por instituições reconhecidas no mercado e por avaliações que assegurem a reputação da empresa. Buscar informações no Banco Central pode ser um bom caminho.

Pague corretamente

Por fim, e não menos importante, pagar corretamente as parcelas do seu financiamento é um cuidado imprescindível nesse processo. Lembre-se que o bem é a garantia do financiamento e, portanto, qualquer atraso na quitação das parcelas pode resultar na perda do imóvel ou do veículo adquirido.

Diferenças entre financiamento, empréstimo e consórcio

Banner financiamento

Apesar da mecânica parecida, há diferenças significativas entre essas modalidades de crédito. Confira!

Financiamento

Esse acordo usa o bem financiado como garantia. Portanto, só é possível movimentar o dinheiro para um fim específico. Se você contratou financiamento de imóvel, deverá empregar o valor na compra de uma casa ou um apartamento. Ainda, vale lembrar que a liberação está sujeita a análise de crédito.

Empréstimo

O empréstimo também costuma passar por análise de crédito — que verifica as condições do contratante para saldar a dívida. No entanto, ao contrário do financiamento, não existe um objetivo único para a utilização do recurso.

A pessoa pode aproveitar a quantia obtida no crédito como bem entender. Por conta disso, as instituições financeiras consideram essa operação mais arriscada, então cobram juros mais altos.

Consórcio

Já o consórcio é um grupo de pessoas que se reúne para adquirir, cada uma, o próprio bem. Todo mês, os participantes depositam uma parcela num fundo comum. Depois, ocorre o sorteio, e o membro contemplado pode usar esse valor total para comprar a casa ou o carro, por exemplo.

A vantagem em relação ao empréstimo e ao financiamento é que o consórcio não cobra juros, mas, sim, apenas uma taxa de administração

Por outro lado, como a contemplação depende de sorteio, a aquisição nunca é imediata. Pode demorar um tempo para chegar a sua vez.

Dica: Consórcio X financiamento: entenda as diferenças

Conte com as soluções financeiras da Cresol

A Cresol oferece diversas soluções financeiras para quem deseja realizar sonhos. Acreditamos no desenvolvimento de nossos cooperados, de seus empreendimentos e de toda a comunidade. Vamos juntos? Acesse o site e conheça nossos serviços.

Se o artigo de hoje foi útil para você, não deixe de nos acompanhar nas redes sociais. Em breve, voltaremos com mais conteúdo sobre investimentos pessoais, empreendedorismo e educação financeira. Até a próxima!

Leia mais