Associados

Festa Junina no “novo normal”

Festa Junina no “novo normal”
Tempo de Leitura: 2 minutos

Junho é mês de Festa Junina e tem gente que adora pipoca, pinhão, cricri, quentão, pamonha, bolo de milho, curtir uma fogueira e arrastar o pé no chão. Porém, este ano devido a pandemia da Covid-19 essa diversão está comprometida. Quer dizer, não vai sair com aglomerações, em escolas, clubes ou comunidades em que eram realizadas. Mas quem disse que não dá para curtir em casa essa festa?

Prepara a música típica que você mais gosta, faz aquela “baciada” de pipoca com açúcar mascavo e é só curtir. O pessoal da agricultura tem até uma certa vantagem, pois nesta época já colheu a pipoca, o amendoim, e começa a produzir o açúcar, podendo também fazer aquela rapadura ou pé-de-moleque no capricho. Tem também a batata-doce, colhida na hora, fresquinha. Porém, quem é da cidade pode fazer com o que tem em casa ou comprar de um agricultor que conhece, por exemplo.

Você pode ainda compartilhar com os amigos o que está fazendo pelas mídias digitais, assim não se sente tão só. Já para aqueles que estão em isolamento com a família, dá até para arriscar uma dança, não é mesmo?

A Festa Junina é celebrada em muitos locais do país, há muitos séculos, mas é no Nordeste que tem maior destaque. Iniciou como uma festa pagã, mas com o tempo foi absorvendo elementos do catolicismo. A festa teria chegado com os portugueses, já que era típica na Europa, porém, as comidas, danças e enfeites são uma junção de elementos da cultura africana, europeia e indígena.

Há quem aproveite também esse período para fazer as simpatias de Festa Junina. Entre as mais famosas está a de arrumar namorado/namorada. Então, não esqueça, dia 13 de junho está chegando e Santo Antônio pode dar uma mãozinha, caso esteja só e queira uma companhia.

Se tiver filhos, que tal aproveitar a ensinar eles fazer balões de São João ou bandeirinhas com jornais ou revistas velhos ou com TNT? As crianças vão lembrar da escola e ainda vão fazer algo diferente, alterando um pouquinho a rotina.   

Agora, se você não curte nada disso e prefere ficar quietinho em casa, sem problemas, o importante é curtir o momento e perceber que estamos em uma situação diferente, com outros hábitos, rotinas e a adaptação é necessária. Até tudo passar e vai passar.

Categorias: Associados , Especiais