Dia do Campo: uma data para debater, refletir e agradecer

Dia do Campo: uma data para debater, refletir e agradecer

Tempo de Leitura: 3 minutos

Datas comemorativas destacam eventos, pessoas e atividades importantes para uma população. Sendo assim, é natural que exista o Dia do Campo. Esse período põe em evidência a importância econômica e social da atividade agropecuária, além de suscitar debates sobre os desafios que o setor ainda enfrenta. Saiba mais a seguir.

Dia do Campo homenageia o setor

“Se o campo não planta, a cidade não janta”, diz um dos lemas dos trabalhadores e trabalhadoras rurais. É justamente para homenagear esse setor da economia e conscientizar a sociedade sobre sua importância que existe o Dia do Campo.

A data geralmente é celebrada em 05 de maio. Porém, algumas regiões brasileiras comemoram no dia 10.

Importância do campo no Brasil

Dados do agro no Brasil

Segundo o Censo Agropecuário de 2017, há mais de 5 milhões de pequenos, médios e grandes produtores rurais no Brasil. Além de gerar emprego, a agricultura e a pecuária também trazem riqueza para o país.

Para você ter uma ideia, a soma de bens e serviços gerados por meio do agronegócio chegou a R$ 1,55 trilhão em 2019. Isso significa 21,4% do Produto Interno Bruto (PIB).

Ainda, os brasileiros são fornecedores de comida para o mundo. De acordo com a Organização Mundial do Comércio (OMC), nosso campo é o segundo maior exportador de alimentos do planeta.

Dica: ProAgro protege sua lavoura das perdas causadas pelo clima

Desafios do campo

Apesar da pujança, a atividade rural enfrenta diversos desafios para se manter num patamar de destaque. Por isso, aproveitamos o Dia do Campo para listar algumas dessas questões. Confira:

Sustentabilidade

Chuvas irregulares, calor intenso e geada fora de época são exemplos de eventos extremos que afetam a produtividade nas lavouras. Eles evidenciam que não dá para ignorar as mudanças climáticas.

O desmatamento e a exploração desmedida de recursos naturais agravam esses problemas. Portanto, cada vez mais, é preciso promover um modelo de negócio que respeite o meio ambiente.

Isso significa desenvolver atividades sustentáveis, preservando os recursos naturais e reduzindo o uso de agrotóxicos. (Atenção especial aos pequenos produtores, muitos dos quais vivem em situação de insegurança alimentar devido à instabilidade no acesso aos alimentos.)

Escoamento da produção

Insumos agrícolas perdem valor comercial quando sofrem algum dano. Só que as avarias, infelizmente, são comuns durante o transporte de grãos, carnes e laticínios.

O fato acontece por causa das condições precárias de muitas estradas brasileiras. Com vias esburacadas, as longas distâncias da lavoura ao centro de distribuição ficam ainda mais difíceis de percorrer. Isso quando o caminhão não quebra no meio do caminho, o que pode levar à perda total da carga.

O investimento em infraestrutura é essencial para reduzir esses gargalos.

Pragas nas lavouras

Besouros, traças e outros insetos podem comprometer safras inteiras. Alguns atacam as plantações, enquanto outros se proliferam nos silos graneleiros destinados à estocagem da massa colhida.

A questão é que o ataque das pragas gera mais que quebra. Muitas vezes, elas carregam fungos e outros microrganismos causadores de doenças. Assim, tornam-se um perigo à saúde humana, interferindo diretamente na qualidade dos produtos.

Para contornar essa situação, é necessário investir em pesquisa. Entidades como a Embrapa aperfeiçoam técnicas e ferramentas para proteger o campo das avarias causadas por pragas agrícolas.

Falta de mão de obra qualificada

Parte do aperfeiçoamento no meio rural tem a ver com o uso de novas tecnologias. Hoje em dia existe maquinário capaz de colher grãos sozinho, sem interferência humana, além de softwares para monitorar a saúde do gado em tempo real.

Essas inovações trazem mais competitividade, uma vez que otimizam a produção e garantem resultados muito melhores. No entanto, diante desse cenário, o perfil do trabalhador do campo também muda.

Quem quer fazer frente aos grandes produtores deve aprofundar conhecimentos técnicos, ou mesmo de gestão financeira das propriedades rurais. Dica: os cursos gratuitos do Cresol Instituto e do Saberes podem ajudar.

Apoio financeiro

O Brasil vive um período de elevação da Selic, a taxa básica de juros. Isso encarece a oferta de crédito. Desse modo, fica mais difícil custear o plantio e a colheita no campo.

Vale lembrar que muitos produtores dependem de iniciativas como o Plano Safra para desenvolver seu trabalho. Afinal, quando há perdas na produção (em razão da estiagem, por exemplo), ficam sem capital próprio para investir.

Uma saída pode estar no crédito rural das cooperativas financeiras. Esse sistema oferece juros baixos e condições de parcelamento que cabem no bolso dos cooperados.

Dica: Tudo que você precisa saber sobre crédito rural

Cresol apoia o desenvolvimento rural

Neste Dia do Campo, a Cresol homenageia quem trabalha para pôr comida na mesa de tantos lares. Aproveitamos, também, para lembrar que podemos contribuir com a prosperidade do setor.

Nosso sistema cooperativo oferece linhas de crédito para produtores rurais de pequeno, médio e grande porte – com taxas competitivas e condições facilitadas de pagamento. Conheça nossas soluções financeiras para o agro.

E não deixe de conferir as novidades no nosso blog. Em breve, voltaremos com mais conteúdo sobre empreendedorismo, cooperativismo e finanças pessoais. Até a próxima!

Leia mais