Agricultura Familiar

Dia do Chimarrão: história, tradição, hospitalidade e boas conversas

Dia do Chimarrão: história, tradição, hospitalidade e boas conversas
Tempo de Leitura: 4 minutos

O chimarrão, bebida típica dos estados do Sul do Brasil, é um legado da tribo Guarani que tornou-se presença obrigatória no dia a dia dos sulistas e constitui-se como uma das tradições mais representativas deste povo. É popularmente conhecido como mate amargo, mas não tem nada de amargo em seu significado, a bebida é símbolo de hospitalidade e amizade.

24 de abril é Dia do Chimarrão e para celebrar esta data, a Cresol reuniu algumas histórias, curiosidades e dicas sobre essa tradição milenar.

* Origem do chimarrão

Por volta do século XVI, colonizadores espanhóis chegaram às terras brasileiras, onde hoje fica o estado do Paraná. Na localidade, viviam tribos de indígenas Guaranis que costumavam consumir uma espécie de chá servido em porongo, caá-i ou ‘água da erva’. A bebida não era bem-vista pelos padres jesuítas. Por não saberem do que se tratava e trazer à memória a ligação de infusão de ervas com a bruxaria, o consumo do mate foi proibido. O impedimento não durou muito tempo, e, no século XVII, os próprios jesuítas incentivaram seu uso em combate ao alcoolismo, fenômeno resultante da proibição do caá-i.  

Com o passar do tempo, o hábito de tomar chimarrão foi passado dos indígenas para os colonizadores que experimentaram e gostaram do sabor da bebida. Logo, eles criaram  utensílios para aprimorar e enfeitar essa prática. O aumento no consumo, consequentemente gerou aumento da produção da erva-mate. O crescimento foi tanto, que chegou a ser a mais importante atividade econômica brasileira até 1632.

Informações retiradas do Blog Nossa Casa.

O chimarrão é um símbolo dos estados do Sul e carrega consigo um legado milenar.
Foto: Reprodução/Pixabay

* Dicas para preparar um bom mate

A constituição tradicional do chimarrão é uma cuia, uma bomba, erva-mate e água quente. O segredo de um bom mate está nos pequenos detalhes. Para iniciar, a cuia precisa ser de porongo e a bomba, por sua vez, de aço inoxidável. A conservação destes itens interfere no sabor do seu mate, por isso, ao lavar a cuia, use somente água corrente, com esponja ou escova, e deixe-a deitada para que o oxigênio passe por ela. Para lavar a bomba use água corrente e fique atento para não deixar pó acumulado no bojo, pois isso pode entupir seu chimarrão. 

Na erva-mate, está o segredo do sabor marcante da bebida. Em geral, tem um amargor típico, também podendo ser defumada ou ainda contar com misturas de chás. Na hora de escolher, verifique a data de fabricação e não de vencimento, pois a Anvisa prevê até dois anos de validade para o produto. O armazenamento também é um ponto importante. A erva é muito sensível e para manter a mesma cor e o sabor, é ideal mantê-la no freezer.

Em relação a água, ela precisa estar quente, mas não pode estar fervendo para que, com seu calor excessivo, não queime a erva ou a boca, e tire as propriedades medicinais da bebida. A temperatura ideal é 70ºC e a dica para quem não tem um termômetro em casa é bem simples, basta colocar uma moeda limpa na chaleira e em seguida, adicionar a água para aquecer. Preste atenção nos sons, a água está na temperatura correta no momento em que a moeda começa a bater no fundo da chaleira.

* Significado dos ‘mates’

Antigamente, os casais apaixonados utilizavam o mate como um meio de comunicação. As mensagens eram transmitidas de acordo com o que era posto na cuia. Confira alguns exemplos!

– Mate com açúcar: Quero a tua amizade

– Mate com açúcar queimado: És simpático

– Mate com canela: Só penso em ti

– Mate com casca de laranja: Venha me buscar

– Mate com mel: Quero casar contigo

– Mate frio: Te desprezo

– Mate lavado: Vá tomar mate em outra casa

– Mate enchido pelo bico da bomba: Vá embora

– Mate muito amargo (redomão): Chegou tarde, já tenho outro amor

– Mate com sal: Não apareça mais aqui

– Mate muito longo: A erva está acabando

– Mate curto: Pode prosear a vontade

– Mate servido com a mão esquerda: Você não é bem-vindo

– Mate doce: Simpatia

Informações retiradas de Churrasco e Bom Chimarrão.

O chimarrão decorado carrega beleza, história e significado.
Foto: Reprodução/Arquivo

* Curiosidades sobre o ‘chima’

  • A cuia deve ser passada com a mão direita e a roda de mate deve ir para a esquerda daquele que preparou o chimarrão.
  • O preparador deve beber o primeiro chimarrão em sinal de educação, para testar a temperatura da água e também porque o primeiro é sempre o mais amargo.
  • Não mexa na bomba ou na erva, essas ações são consideradas faltas graves em uma roda de mate.
  • Numa roda de chimarrão, não se toma apenas um golinho e passa o mate adiante. É preciso tomar tudo, até a bomba ‘roncar’. Se isso não é feito, é considerado uma desfeita.
  • O chimarrão tem 10 mandamentos que são indispensáveis para quem consome ou quer consumir a bebida.

Categorias: Agricultura Familiar , Associados , Especiais